O Bobo, Les bobos, Kpa abobo

8 de novembro de 2020

By Manu

Comments

No português atual bobo tem essencialmente o sentido de estúpido, idiota. Antigamente, o “bobo” era o palhaço, o bufão de corte, num território governado por um senhor ou um rei. Aquela criatura ridícula, ou percebida como tal, na qual confluíam todas as nuances do cômico e do tragicômico. Em O Bobo, Alexandre Herculano chama a nossa atenção sobre o trágico que permeia essa figura.

Em português, o acento cai na primeira “o”.

O francês reverte as coisas. Você deveria pronunciar acentuando a “o” final. E não é a mesma coisa, de jeito nenhum. Esta palavra existe no vocabulário dos adultos. Também existe, na mesma forma mas com um sentido bem diferente, no vocabulário infantil.

Os adultos usam a palavra “bobo” para indicar aquelas pessoas que – num contexto medieval – teriam a oportunidade de se tornar não os palhaços, os bufões de uma corte, mas bem os cortesãos.

Para semplificar, são chamados de “bobos” (não esqueça a acentuação na “o” final e a “s” muda) – “Les bobos” em francês – os burgueses que tendem a levar uma vida boemia. Ou seja, pessoas economicamente serenas mas com posicionamentos ecologistas.

Os adultos usam esta palavra com um tom entre a zoeira e o desprezo.

Mas “bobo” é também “un petit mal”. A palavrinha da dor, dos pequenos machuques infantis. Quando uma criança se machuca , os grandes perguntam para ele “Tu t’es fait um bobo?”.

Possível tradução literal: “Você se fez uma dorzinha?”.

Aceitável tradução portubrasileira: “Você se machucou?”.

De modo que em francês, “Bobo” é a palavra para desdramatizar; ela atenua a ferida, aligeira o machuque. Ela suaviza a própria percepção da dor, das dores físicas que atestam que estamos tomando as medidas da realidade e que o mundo está tomando de volta nossas medidas.

Portanto “les bobos” são “as dores pequenas”; aquelas dores que acontecem e são de alguma forma necessárias para a gente crescer, se fortalecer, robustecer nossos ossos, reforçar nossa epiderme.

Reforçar nossa epiderme, operação que em italiano falamos “Farsi la pelle” para enfrentar a existência, lidar com a vida.

Possível tradução literal: “Se fazer a pele”.

Aceitável tradução portubrasileira: “espessar o couro”.

“Tu t’es fait um bobo?”. Com esta pergunta, a dor já não tem consistência, ela se torna de repente, absolutamente suportável, já vai desaparecendo por completo.

Os franceses costumam dar um beijo no ponto exato onde o “bobo” aconteceu: nestes casos, se o beijo chegar com prontidão, geralmente a dor desaparece ainda antes que se tenha percepção dela.

Porém, em algum lugar, no hemisfério sul do planeta, a dor chega até o ponto de não poder desaparecer, de jeito nenhum. É preciso expressá-la, ou deixar ela se expressar. É preciso expelí-la.

Então as pessoas Kpa Abobo.

Kpa Abobo é uma locução verbal do ewe e do mina composto por duas palavras.

O verbo que nos diz que as pessoas dizem sua dor com gritos. Quando kpa abobo, as pessoas soltam a voz com um ímpeto que nasce nos pulmões e com uma energia que tem suas raízes no coração.

Algo parecido com aquele “Urlo Nero della Madre” do Salvatore Quasimodo.

Com certeza, os Ewe-Mina têm uma letra-sílaba a mais. Talvez seja mesmo para dizer a necessidade que a nos se impõe de expelir “un mal grand”, uma “dor grande”.

Related Posts

Ala’a, ala

Ala’a, ala

In italiano ala è l’arto che ci manca per poter volare. Gli animali della classe degli uccelli ce l’hanno, ma non tutti conservano la capacità di usarla profittevolmente. In Brasile, un pomeriggio di brezza atlantica ho incontrato Ala’a. O Alita Linda, invenzione per...

A

A

Ala Em italiano « Ala » é a extremidade que falta para nós podermos voar. Animais da família das aves a possuem, porém nem todos têm a capacidade de usá-la com proveito. No Brasil, uma tarde de brisa atlântica conheci a Ala’a. Ou Alita Linda. Mais tarde,...

0 Comments

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *